terça-feira, 22 de maio de 2018

MORREU JÚLIO POMAR


Júlio Pomar, 92 anos, morreu hoje.

Em 1965 pintou estas imagens dos Beatles.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

PSICO, VENCEDORES EM 1968


Os Psico foram os vencedores do I Concurso Académico de Música Moderna realizado no dia 17 de Maio de 1968 no cinema Império, em Lisboa. Obtiveram 47 pontos.

Na altura, eram formados por Vasco Moura, Fernando Barradas, António Moura, António Sampaio e António Manuel Ferreira.

O segundo lugar foi para os Diamantes Negros, com 40 pontos, o terceiro para os Charruas, com 34, e o último para a Equipa 88, com 23 pontos, onde militava Luís Moutinho, ex-Deltons.

domingo, 13 de maio de 2018

HÁ 50 ANOS


L'Express, 13 de Maio de 1968

MAIO 68


L'Express, 14 de Maio de 1968

MULTIBANCO FAZ 50 ANOS!!!


Sabiam? Para mim foi uma surpresa ao ler o "Diário Popular" de 14 de Maio de 1968. Já não me lembrava! Será que chegou mesmo a existir?

Na véspera, dia 13, escrevia o mesmo jornal:

Com a presença do presidente do Grémio Nacional dos Bancos e Casas Bancárias, foi hoje inaugurado na filial do Chiado do Banco Fonsecas & Burnay o novo serviço "Bancomat - BFB", que consiste num sistema de distribuição automática de dinheiro por meio de máquinas com acesso directo ao público que se encontra na rua, permitindo levantamentos de fundos a qualquer hora do dia ou da noite, em todos os dias do ano, incluindo domingos e feriados.

As máquinas em causa, de concepção muito engenhosa, são de manejo fácil, bastando utilizar um cartão que previamente é distribuído ao cliente.

Para qualquer levantamento basta abrir a porta do "Bancomat - BFB" e inscrever, por intermédio de um teclado que se encontra no interior do aparelho, o código pessoal e a importância que se deseja receber, saindo as notas, uma a uma, através de uma fenda apropriada.

A cerimónia da inauguração a que assistiram numerosas individualidades especialmente convidadas para o efeito, despertou grande curiosidade.

A administração do Banco Fonsecas & Burnay ofereceu, em seguida, aos seus mais directos colaboradores, às entidades referidas e aos representantes dos órgãos da Informação, um almoço num restaurante da cidade.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

OS DIAS DA RÁDIO


The Golden Age of Old American Radio
Starring Bing Crosby
United Artists Records  UAK  30115

With Jud Conlon’s Rhythmaires
John Scott Trotter and His Orchestra

Apresentador: Ken Carpenter     

Side One

1-Where The Blue Of The Night Meets The Gold Of The Day - Orchestra   
2- Lady Of Spain – Bing Crosby 
3 - Hello, Hello – Kay Thompson and The William Brothers   
4 -For Me And My Gal - Judy Garland and Bing Crosby
5 - Young At Heart – Bing Crosby
6 - Lazy River And Paper Doll       - The Mills Brothers and Bing Crosby
7 - Where Is Your Heart – Bing Crosby 
8 - Lullaby Of Broadway – Dick Powell and Bing Crosby       
9 - It Might As Well Be Spring – George Burns abd Bing Crosby     
10 - It's Only A Paper Moon – Bing Crosby       
11 -That's A Plenty – Connie Bonwell and Bing Crosby         
12 - You Go To My Head – Bing Crosby
13 - Where The Blue Night Meets The Gold Of The Day (Reprise) – Orchestra


1- Zip-A-Dee-Doo-Dah – Bing Crosby   
2 - I Can Dream Can't I? – The Andrews Sisters and Bing Crosby   
3- Tell Me Why – The Four Aces and Bing Crosby     
4 - Two To Tango – Rosemary Clooney and Bing Crosby       
5 - Mona Lisa – Bing Crosby       
6 - If I Knew You Were Coming I'd Have Baked A Cak - Bob Hope and
     Bing Crosby   
7 - On A Slow Boat To China – Peggy Lee and Bing Crosby 
8 - Medley   
     (You Gotta Start Off Each Day With A Song - Maurice Chevalier and Bing
     Crosby, My Love Parade – Maurice Chevalier- Louise – Maurice Chevalier and
      Bing Crosby - Mimi – Maurice Chevalier)
9 - You Gotta Start Off Each Day With a Song – Jimmy Durante and Bing
      Crosby
10 -You Belong To Me – Bing Crosby     
11 -Wish You Were Here – Bing Crosby
12 - May The Good Lord Bless And Keep You - Nat King Cole, The Andrew
        Sisters and Bing Crosby   
13 - Orchestral Closing
       Where The Blue Of The Night Meets The Gold Of The Day

Quando se gosta da vida, gosta-se do passado, porque ele é o presente tal como sobrevive na memória.

Se bem que o malandro do José Gomes Ferreira lhe tenha dito que «saudades, só do futuro», mas há coisas em que gosta mesmo de voltar lá atrás.

Cresceu a ouvir rádio.

 Primeiro num velho «Pilot», mais tarde, muito mais tarde, num «Blaupunkt já com dois altifalantes laterais, um luxo!, dizia que era estéreo.

 O rádio tocava todo o dia.

 O avô chamava-lhe telefonia.

 Os mais variados programas, das mais variadas estações: o folhetim do «Tide» da mãe e da avó, a música clássica do avô, os relatos de hóquei em patins do Torneio de Montreux em cada tempo de Páscoa, ao domingo os relatos de futebol.

 De todas as músicas, ficou-lhe um gosto por «big bands», por «crooners».

 As canções dos primeiros amores, os primeiros bailes, slows, boleros - «a menina dança?»

 O modo como uma mão nas costas nos conduzia, podia mudar tudo, passagem quase certa para lá do arco-íris.

 Aquilo a que chamaram a idade da inocência.

 O tempo, onde as promessas, as causas, porque também nos fomos apaixonando por ideias, nos preenchiam os quotidianos.

 Quando ainda acreditávamos, que iríamos ficar fiéis àqueles amigos, àqueles ideais.

 As músicas é que ficaram.

 E memórias: Brigitte Bardot a acenar num velho filme a preto e branco, Sophia Loren a não caber no écran do Cine-Oriente, Eusébio no Mundial de 66 em Inglaterra.

Não vivíamos para ouvir rádio. Somente para melhorar essa vida.

«Rashid: é a primeira casa que vejo sem televisão.

Paul : Já tive uma, mas estragou-se aqui há uns anos e nunca me decidi a substituí-la. De qualquer das maneiras, prefiro não ter nenhuma. Odeio essas porcarias.

Rashid: Mas assim não pode ver os jogos. Disse-me que era fã dos Mets

Paul: Ouço pela rádio. Assim consigo ver muito bem os jogos. O mundo está na nossa cabeça, lembras-te?»

Diálogo do filme «Smoke» de Paul Auster/Wayne Wang

Extinta está a rádio que grande parte da vida o acompanhou.

 Degradou-se a partir de um tempo que não sabe onde mora.

 Ou melhor: quando os programas de autores e de vozes eméritos deram lugar às «play-lists», em que uma garotada inculta, aos guinchos, às piadolas sem graça alguma, às conversinhas parvas tiraram o lugar a profissionais como Cândido Mota, Rui Morrison, Maria José Mauperrin, Jaime Fernandes, António Cartaxo, José Duarte, Adelino Gomes, António Curvelo, Aníbal Cabrita, António Sérgio, João David Nunes, Luís Pinheiro de Almeida - «why not?»

 E não tem qualquer ponta de esperança que essa rádio regresse nos tempos que ainda terá para andar por aqui.

 Razão única para ter uma ternura especial por este velho LP, que o leva, volta e meia, a pôr o disco a rodar e amiúde senta-se no sofá a ver Os Dias da Rádio do Woody Allen, copo de gin ao lado.

Texto de Gin-Tonic

MAIO 68, HÁ 50 ANOS!


Diário Popular, 11 de Maio de 1968

Esta é uma das primeiras manchetes na Imprensa portuguesa sobre os acontecimentos de Maio de 68 em Paris.

O Festival de Cannes foi cancelado e George Harrison e Pattie Boyd tiveram de regressar a Londres.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

100 ESCUDOS HÁ 50 ANOS!


Esta nota de Camilo Castelo Branco entrou em circulação no dia 10 de Maio de 1968.

AD LIB - 50 ANOS


No 7º andar deste edifício da Rua Barata Salgueiro, 28, em Lisboa, funcionou (funciona) uma das boîtes mais requisitadas dos anos 60/70: Ad Lib.

Não consegui verificar se a boîte ainda funciona, mas a Charlot e a Materna, no rés-do-chão, já foram... ou estão em remodelação.

Lisboa conta com mais uma "boîte" que a partir de agora passa a estar aberta ao público. Chama-se "Ad Lib" e fica situada no último andar de um prédio recém-construído na rua Barata Salgueiro. (Tão "recém" que apenas dois dos sete andares estão ocupados):

- "Ad Lib"... porquê?

- Bem - esclareceram-nos - porque "ad lib" é a contracção de uma expressão latina ("ad Libitum") que significa "à vontade" - e à vontade é como queremos que as pessoas sesintam aqui. Depois, , porque já em Londres alguém se lembrou de dar a uma "boîte" semelhante o mesmo nome. Enfim, havia o precedente...

O ambiente é mais o de um luxuoso "living" do que o de uma "boîte": cadeiras de encosto semicircular forradas de pele, predominância do vermelho (no chão, nas paredes, no tecto), do metálico (no chapeado das colunas, nas ripas do "canal" de entrada) e do negro. Planos diferentes para os sectores do bar, da pista, das mesas atrás do varandim. Uma vista esplêndida da Baixa, do rio, das luzes nocturnas.

Conquanto o estilo consista mais exactamente numa sábia dosagem de estilos - do conforto do Império aos jogos de espelhos do moderno - é inquestionável que o "tom" é francamente oriental. Dado por soberbas estatuetas indianas (segundo soubémos executadas em Portugal e "tratadas" até adquirirem aquele aspecto de peça enterrada durantes séculos mas descoberta miraculosamente intacta por equipas de competentes arqueólogos...) escolhidas por esse profissional do bom-gosto que é o decorador Pedro Leitão - o responsável pela decoração da "Ad Lib" e também da "Vão Gogo" e da "Canoa".

A festa de inauguração foi tranquila, sossegada. Muita música, é certo, mas também muita conversa de gente que há longo tempo não se via ou ques está constantemente a ver-se. Estavam Raul Solnado e outras figuras conhecidas, mas o proprietário da "Ad Lib", sr. João Manuel de Castro Júnior, teve a preocupação de só convidar amigos seus ou amigos dos seus amigos. Por isso toda a gente se conhecia e se sentia bem. Toda a gente se sentia "ad lib".

"Diário Popular", 10 de Maio de 1968, pág.24

quarta-feira, 9 de maio de 2018

HÁ 20 ANOS


Ensaio Geral da EXPO '98 no dia 09 de Maio de 1998.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

MAIO 68


O Século, 07 de Maio de 1968

Que eu saiba, mas posso estar enganado, esta terá a primeira primeira página da Imprensa portuguesa dedicada aos acontecimentos de Maio de 1968 em França.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

POLÍCIA DE CHOQUE CONTRA ESTUDANTES


Diário Popular, 04 de Maio de 1968.

Que eu saiba, esta terá sido a primeira notícia (mesmo assim pequena) na imprensa portuguesa sobre os acontecimentos de Maio de 1968 em França.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

VIDA MUNDIAL


Vida Mundial, 03 de Maio de 1974

terça-feira, 1 de maio de 2018

MAIO 68


Fotografia de minha autoria, de 1969, Paris.

HÁ 50 ANOS


Diário de Notícias, 01 de Maio de 2018

HÁ 50 ANOS


rua Duque de Palmela, 14/avenida da Liberdade, 245A, Lisboa.

MAIO 68


Famosa fotografia de Daniel-Cohn Bendit, cuja autoria não está identificada no "Diário de Notícias" de 02 de Janeiro de 2018. Diz apenas "arquivo DN".

FERREIRA FERNANDES


Notícias Magazine, 31 de Dezembro de 2017

segunda-feira, 30 de abril de 2018

FOREVER YOUNG


Forever Young, nº 1, Abril/Maio/Junho de 2018, 3 €, director: Ricardo Florêncio

Cortesia de Fernando Correia de Oliveira

TAXMAN


Os Zoo são um conjunto português de pouca projecção, mas muita qualidade, do final da década de 60. Gravaram um único EP.

50 anos depois, voltam à liça com um CD de muito bom gosto, onde se destaca uma versão de "Taxman" que vou ter a honra de estrear na Rádio Renascença!

quinta-feira, 26 de abril de 2018

26 DE ABRIL


Diário de Lisboa, 26 de Abril de 1974

quarta-feira, 25 de abril de 2018

SOLDADOS E POVO


OSIRIS - EP 0013

Soldados e Povo (João Dias/A. Carvalho) - Camponês a Terra é Tua (João Dias/A. Carvalho)

Arranjo e direcção musical de Correia Martins.

AVENIDA MOVIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS


Portalegre.

AVENIDA 25 DE ABRIL


Vila Fria, Oeiras.

FINALMENTE!


Diário de Notícias, 25 de Abril de 1974